Senador critica baixos investimentos em infraestrutura de transportes

Senador critica baixos investimentos em infraestrutura de transportes

O senador Wellington Fagundes (PL-MT), presidente da Frente Parlamentar Mista de Logística e Infraestrutura, criticou ontem os baixos investimentos que vem sendo feito em rodovias no Brasil. Segundo ele, em 2020, foram investidos menos de 1% do necessário, reduzindo a competitividade dos produtos brasileiros no mercado internacional pelo alto custo dos fretes.

Concessões

Ao analisar o setor durante evento promovido pela Brasil Export, em Rondonópolis, o parlamentar considerou equivocada a forma como se deram as concessões de rodovias no Brasil. “Elas não se sustentam”. E citou o caso da BR-163/364 no trecho entre a divisa de Mato Grosso do Sul a Sinop, que está sob responsabilidade da Rota do Oeste.

Na ocasião, Fagundes defendeu a abertura do Brasil para investimentos estrangeiros no setor, desde que a iniciativa privada tenha segurança jurídica para fazê-los. “O Brasil é um gigante em oportunidades, mas é preciso ter essa segurança para atrair esses investimentos”, disse.

Cargas

Ele apresentou Rondonópolis como pólo de distribuição de cargas para o Brasil ao concentrar grande número de empresas de transporte e defendeu o prolongamento da Ferrovia Vicente Vuolo até Cuiabá. Hoje, os trilhos estão em Rondonópolis, onde também está o maior terminal de cargas da América do Sul. “Podem achar estranho que eu, como rondonopolitano, defenda essa obra, mas é preciso pensar no desenvolvimento de todo Mato Grosso. Essa ferrovia precisa chegar a Cuiabá e ao norte do Estado”.

O presidente do Conselho do Centro-Oeste Export, Edeon Vaz Ferreira, ressaltou a importância da multimodalidade, tema que será debatido em painel desta terça-feira (10).

Hidrovias

Já Francisval Mendes, diretor-geral da Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários), falou sobre como a integração com as hidrovias é importante para o escoamento da safra. Segundo ele, de janeiro a agosto deste ano, 27 mil toneladas foram transportadas pelas hidrovias, um número cinco vezes menor do potencial existente no Brasil.

Quinto e último fórum regional do Brasil Export, o Centro-Oeste Export é realizado nesta segunda e terça-feiras em Rondonópolis.

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado

× Como posso te ajudar?